A Águas de Manaus vem trabalhando para diminuir os índices de perda de água tratada na capital amazonense. Atualmente, 40% da água produzida pela empresa acaba sendo desperdiçada, principalmente por conta de ligações irregulares. Além de investir em tecnologia e conscientização da população, a concessionária vem intensificando ações para combater fraudes e o furto de água pela cidade, especialmente em locais de grande porte.

 

Semanalmente, a Águas de Manaus realiza ações que acontecem em parceria com a Polícia Civil, através da Delegacia Especializada em Combate a Furtos de Energia, Água, Gás e Serviços de Telecomunicações (DECFS). Estas fiscalizações especiais já conseguiram encontrar irregularidades em centros comerciais, condomínios de alto padrão, postos de gasolina, grandes drogarias, canteiros de obra e até em shoppings. Em 2018, das 90 ações do tipo realizadas pela concessionária, 88 identificaram alguma fraude no fornecimento de água. Para 2019, a meta é realizar pelo menos 150 inspeções nesses locais até o fim do ano.

 

O delegado Carlos Alberto Andrade, titular DECFS, visitou a concessionária nesta semana. Ele foi recebido pelo diretor-presidente da Águas de Manaus, Renato Medicis e ambos discutiram formas de ampliar a parceria entre empresa e Polícia Civil. As fiscalizações especiais vão ser intensificadas e número de equipes técnicas envolvidas nas operações deve aumentar.

 

Diretor-presidente Renato Medicis recebeu o delegado Carlos Alberto, da DECFS, na sede da Águas de Manaus

 

 

Os principais tipos de fraudes encontradas pelas equipes nestas operações são: desvio de ramal, hidrômetro fraudado, hidrômetro invertido, religação por conta própria, bomba de sucção, ligação clandestina, fornecimento de água a terceiros e lacre violado. Uma ligação fraudada consome, em média, quatro vezes mais do que o consumo normal registrado por uma ligação hidrometrada regular.

 

Quem comete esse tipo de irregularidade pode ser enquadrado no Código Penal Brasileiro pelo crime de furto. Segundo o Artigo 155, a punição prevista para esse tipo de crime é de um a quatro anos de prisão, além de multa.

 

A postura da Águas de Manaus, no entanto, é a de sempre buscar a regularização do cliente. Ao se comprovar a fraude, é feita eliminação da mesma e a normalização da ligação. O proprietário do imóvel, então é encaminhado ao ponto de atendimento da concessionária mais próximo, para que possa renegociar seus débitos. “A Águas de Manaus tem facilitado nossas ações, já que é uma empresa que não criminaliza o cliente. As pessoas sempre podem procurar a concessionária para se regularizar, negociar dívidas, multas e resolver o problema. Essa postura educativa deveria ser copiada por outras empresas. Assim, a Polícia Civil consegue separar quem está disposto a buscar a regularização, daqueles que não estão. Esses que só desejam furtar água e não querem se regularizar é que são punidos, de acordo com a lei”, destacou o delegado Carlos Alberto Andrade.

 

Para o diretor-presidente da Águas de Manaus, Renato Medicis, a parceria com a Polícia Civil é bastante proveitosa. Ele reforça o compromisso da empresa com a cidade. “Quando combatemos as fraudes, estamos melhorando o abastecimento na cidade. Uma ligação irregular pode causar problemas como vazamentos, pressão reduzida e comprometer a qualidade da água. A Águas de Manaus quer o melhor para o cliente e para a cidade. Por isso, sempre estamos dispostos a negociar e garantir que o cliente se regularize e nunca mais volte a cometer uma fraude”, explicou.

 

CANAIS DE DENÚNCIA – Além das fiscalizações de rotina nas ruas, a concessionária também recebe denúncias de ligações clandestinas em seus canais oficiais de relacionamento com o cliente, através do telefone 0800 092 0195 e na agência virtual, disponível no site www.aguasdemanaus.com.br e no aplicativo Águas APP.

 

Logo que a denúncia é recebida ou um potencial local de fraude é identificado pela concessionária, é realizado o levantamento do histórico de consumo do imóvel, caso a ligação esteja ativa na base da empresa. Uma equipe também vai até o local onde há suspeita de furto de água e realiza testes na água consumida, para comprovar se ela é fornecida pela concessionária ou não.

 

Somente após todas essas evidências serem coletadas é que a Polícia Civil é acionada, através de uma carta denúncia. Equipes da concessionária, acompanhadas de investigadores e peritos da DECFS retornam ao local. O proprietário é notificado pela polícia a comparecer a delegacia, enquanto as equipes da Águas de Manaus retiram a fraude e normalizam a ligação, instalando um novo hidrômetro e encaminhando o cliente para o atendimento.

PROCEDIMENTOS – Em uma fiscalização realizada nas últimas semanas, uma obra comercial de grande porte na zona Leste de Manaus estava consumindo água através de um desvio de ramal. O hidrômetro instalado no imóvel não registava consumo desde junho do ano passado, mesmo com os operários utilizando água constantemente na construção. Os testes de pressão, vazão e com reagentes químicos na água consumida no local comprovaram que o líquido era fornecido pela Águas de Manaus. Apesar da resistência inicial, o proprietário concordou em regularizar o problema, prestar esclarecimentos posteriores na delegacia e normalizar sua ligação. “Em hipótese alguma queremos perder o cliente. A empresa busca sempre conscientizar a população de que água tratada não pode ser desperdiçada ou furtada. Sempre que isso acontece, todos nós perdemos. A água é um bem finito e todos precisam fazer a sua parte para que ela não acabe”, destacou o gerente comercial da Águas de Manaus, Waldyr Vilanova.