A água é um recurso natural indispensável para a sobrevivência de qualquer ser humano. Mas, para muitas pessoas, o líquido também se transforma em um item essencial na própria profissão. Podemos dizer que elas literalmente “vivem da água”. Portanto, ter um serviço de abastecimento de qualidade e uma água bem tratada na torneira é imprescindível no dia a dia destes moradores de Manaus.

A Cozinheira Maria Elcirene Bentes, 50, que mora no conjunto Nova República, na zona Sul da Cidade, há quase 30 anos, é um exemplo disso. Proprietária do “Restaurante da Morena”, localizado na rua Alberto Carreira, ela serve diariamente cerca de cem refeições em seu estabelecimento no almoço e jantar. Dona Maria diz que o serviço de abastecimento de água no local é satisfatório. E isso a ajuda diretamente no preparo de suas refeições. “Hoje, eu uso a água que chega na torneira para cozinhar, lavar os alimentos e na limpeza do meu restaurante. Confio na qualidade dela e nunca tive nenhum problema nesse sentido. Tenho uma água limpa em minha torneira e isso é muito importante para meu negócio”, disse a cozinheira.

Dona Maria, que se orgulha de ser a primeira pessoa a comercializar refeições pelo conjunto, relembra que o cenário nem sempre foi esse. “Quando cheguei por aqui, ter água em casa era complicado. Às vezes, chegava até uma água barrenta na torneira. Na época, eu só cozinhava com a água mineral. Tinha que comprar garrafão e isso era um custo a mais. Graças a Deus esse cenário mudou e hoje, tudo é bem diferente. Estou satisfeita com o serviço de água e o valor cobrado cabe no meu bolso com tranquilidade”, completou.

A feirante Helena Nascimento, 57, é mais uma pessoa que vê a agua tratada como um item essencial ao seu negócio. Em seu box, em uma feira da zona Oeste da cidade, o uso da água é contínuo. “Tenho que ter uma boa água para manter as verduras limpas e frescas. E também para sempre deixar meu ambiente de trabalho limpo. O serviço de água na cidade é bom e atende minhas necessidades. Isso, com certeza, ajuda a atrair mais fregueses para minha banca”, disse.

É para garantir que pessoas como Maria e Helena continuem trabalhando tranquilamente que a concessionária Águas de Manaus vem investindo em melhorias no abastecimento da cidade. Desde que chegou na capital amazonense, em junho do ano passado, a empresa tem ampliado seus laços de relacionamento com os clientes. E também procura cuidar da água de maneira correta. Para se ter uma ideia, são realizadas cerca de 30 mil análises mensais em laboratório na água que é captada do Rio Negro e tratada em uma das quatro Estações de Tratamento de Águas (ETA´s) ou nos Centros de Produção de Água Subterrâneas (CPA´s) administrados pela empresa na cidade. São analisadas características como cor, transparência, PH (acidez), além da presença de bactérias, metais ou qualquer outro produto que possa comprometer a qualidade da água fornecida.  A empresa possui 625 pontos de coleta de água na capital para fazer essas análises laboratoriais, o que garante água potável em todas as zonas da cidade.

 

Em relação a estrutura do abastecimento, a Águas de Manaus vai continuar a expansão dos serviços de água pela cidade ao longo do ano. Para isso, estão previstos 18 mil metros de novas redes de água em áreas que ainda não são atendidas atualmente pela concessionária. Outros 19 mil metros de redes de distribuição já existentes serão substituídos. A concessionária ainda está implantando um novo sistema de abastecimento que irá levar água tratada até as comunidades do Portal Tarumã, Parque Riachuelo I e II e Parque Solimões, localizadas no bairro do Tarumã, na zona Oeste da cidade. Ao todo, serão construídos 22,5 mil metros de novas redes, três poços profundos e um reservatório. O novo sistema beneficiará 12 mil moradores da região.

Atualmente, a cidade conta com uma rede de distribuição de água tratada que possui 3.566 quilômetros de extensão. Para efeito de comparação, a distância entre Manaus e Brasília é de 3.436 quilômetros. Somente de adutoras, são 245 mil metros de grandes tubulações. O sistema é complementado por 182 Reservatórios com capacidade de armazenamento de 224 milhões de litros, volume que seria suficiente para encher 450 mil caixas de água de 500 litros, modelo mais utilizado nas casas da capital amazonense.

A cidade deve ganhar cinco novos reservatórios no primeiro semestre deste ano, localizado nos bairros Compensa, Cidade Nova, Jorge Teixeira, Colônia Santo Antônio e Cidade de Deus. Eles vão elevar a capacidade de reserva em 20 milhões de litros. Algumas adutoras da cidade também serão duplicadas. As obras do trecho de aproximadamente dois quilômetros entre a Ponta do Ismael e o centro de reservação do Alvorada começaram em dezembro. A capacidade de transporte de água aumentará em 22% com esta duplicação, fazendo a água chegar aos reservatórios com maior rapidez.