Mais de 2 milhões de pessoas recebem água potável, de alta qualidade, em aproximadamente 522 mil residências, em Manaus. A maior parte desse volume é captada, tratada e distribuída pelo Complexo de Produção da Ponta do Ismael, Compensa, zona Oeste, que responde pelo abastecimento das zonas Sul, Centro-Sul, Oeste, Centro-Oeste e parte da zona Leste, representando cerca de 60% do abastecimento. A água captada e tratada passa por um rígido controle de qualidade, com quase 30 mil análises realizadas mensalmente em mais de 600 pontos de coletas.

Cumprindo um ritual de fiscalização na empresa concessionária Águas de Manaus, o prefeito Arthur Virgílio Neto fez uma visita surpresa ao complexo da Ponta do Ismael no dia 13/02, onde observou todo o sistema de captação, tratamento, distribuição e controle da rede de abastecimento. Desde a semana passada, o prefeito tem acompanhado os investimentos feitos pela empresa na construção de novos reservatórios de água.

“Deu para perceber todo o processo de purificação da água que é captada no Rio Negro até a sua última etapa. Estamos no Centro de Controle de Operações, que mostra exatamente o que está acontecendo com a rede de abastecimento, em qualquer lugar de Manaus”, disse o prefeito. “Queremos ter uma visão muito completa do sistema para estarmos muito por dentro, sempre, de tudo aquilo que é vital para Manaus, e a água é vital”, assegurou.

O sistema de abastecimento da capital se inicia com a captação direta do rio Negro, de onde a água é transportada para tanques, recebendo o primeiro tratamento químico e, depois, sendo levada para outro tanque para decantação, onde uma injeção de oxigênio eleva toda a sujeira para a superfície, formando uma camada de resíduos. A água então é “lavada” para a retirada dos resíduos e passa para os tubos de distribuição já totalmente límpida e purificada.

“É muito bonito ver o processamento de uma água suja, que passa por purificação e termina sendo uma água de boa qualidade, de qualidade internacional, padrão oferecido hoje aos consumidores manauaras”, afirmou Arthur. “Estou bastante satisfeito em relação ao abastecimento de água. E não estava antes”, destacou.

“Aqui, na Ponta do Ismael, nós temos duas ETAs, que são Estações de Tratamento de Água, e produzimos para aproximadamente 60% da população de Manaus”, confirmou o diretor executivo da Águas de Manaus, Luiz Couto. O sistema dispõe, ainda, de outras duas ETAs, uma na Ponta das Lajes, que produz para o Programa Águas para Manaus (Proama) e abastece a zona Norte e parte da zona Leste, e outra no Mauazinho, que abastece, principalmente, o Distrito Industrial. A concessionária dispõe de 41 Centros de Produção de Águas Subterrâneas (CPAs) em operação.  A cada hora, 26 milhões de litros são captados do rio Negro. Ao longo do dia, são mais de 630 milhões de litros coletados.

 

Novos investimentos

Os trabalhos da concessionária têm a participação direta da Prefeitura de Manaus, por meio da Unidade Gestora de Projetos Municipais de Abastecimento de Água (UGPM Água), vinculada à Secretaria Municipal de Parcerias e Projetos Estratégicos (Semppe). Segundo o coordenador da UGPM Água, Sérgio Elias, aproximadamente R$ 40 milhões serão investidos este ano em melhorias no abastecimento de água em Manaus, com novas ligações em comunidades ainda não atendidas, construção de reservatórios e melhoria da rede de distribuição, com novas adutoras. As obras têm a fiscalização da Agência Reguladora dos Serviços Públicos Delegados do Município de Manaus (Ageman).

“Teremos a modernização do Centro de Controle Operacional, porque queremos trazer todas as informações do sistema para cá, isso vai facilitar a fiscalização”, informou Sérgio Elias. “Temos os investimentos em reservatórios, cinco estão sendo construídos, aumento em mais 20 milhões de litros a capacidade de armazenamento de água na cidade, vamos levar abastecimento para o Parque Solimões, Portal do Tarumã, Riachuelo e comunidade Nobre, além da implantação de novas adutoras. Uma delas saindo da avenida Pedro Teixeira até o reservatório do Alvorada, outra saindo do Santa Etelvina para a comunidade Nobre, além das unidades programadas para a zona Leste”, antecipou Sérgio Elias.