Notícias

Ver notícia

Neste dia 05 de maio, data em se que celebra o Dia do Líder Comunitário, a Águas de Manaus firma o compromisso em valorizar estes porta-vozes das comunidades

Ouvir os anseios da população, ser um fiscalizador e intermediar soluções entre comunidade e o poder público são algumas das funções de um líder comunitário. Nesta sexta-feira (05) é celebrado o Dia do Líder Comunitário, data instituída em 2006, para homenagear os “porta-vozes do povo”.

A Águas de Manaus possui um programa de relacionamento com as lideranças da cidade e que vem fazendo a diferença no dia a dia de Manaus. O “Afluentes” possui atualmente mais de 1.230 líderes espalhados por todas as zonas da cidade. De Norte a Sul, de Leste a Oeste, os comunitários aproximam a empresa da população.

“As lideranças comunitárias têm um papel importantíssimo e estratégico para que nós, enquanto concessionária, consigamos prestar nossos serviços com qualidade. São eles que ouvem os moradores e conhecem os anseios de casa bairro desta cidade. Não temos como falar de responsabilidade social se não tivermos um relacionamento estreito com estes líderes. Hoje celebramos esta parceria que está contribuindo para a construção de uma Manaus melhor”, destaca o relações institucionais da Águas de Manaus, Semy Ferraz.

Relacionamento e desenvolvimento

No início dos anos 80 uma nova comunidade surgia na zona Centro-Oeste de Manaus. Batizada como Bairro Da Paz, o lugar virou bairro e hoje abriga mais de 20 mil moradores. Formada por ruas, becos e palafitas, a área tem como liderança comunitária, há mais de 30 anos, um morador que conhece cada “canto” do local: Luiz Magalhães.

Por onde anda ele é reconhecido pelo trabalho em frente ao bairro e hoje comemora o reconhecimento junto a concessionária. “Esta parceria foi melhor coisa que aconteceu. Nunca uma empresa havia procurado uma liderança comunitária com o objetivo de ajudar os moradores, de solucionar as demandas. E isso deu tão certo que hoje em qualquer lugar que você vá em Manaus, encontra água regular. Aqui no bairro não tem uma rua, um beco que não tenha água”, ressalta o líder comunitário.

Na zona Oeste, o bairro Lírio do Vale, também é atendido pelo programa Afluentes. O local existe desde a década de 60 e no decorrer dos anos cresceu aceleradamente. Atualmente o bairro tem mais de 25 mil habitantes. Para o líder comunitário Demétrio Santos, que trabalha em prol dos moradores há mais de 11 anos, a chegada da Águas de Manaus mudou completamente a realidade do bairro.

“Nunca tivemos um relacionamento tão estreito com uma concessionária. A gente tem as demandas e conseguimos direcionar para os gestores da empresa. Por meio do programa temos uma pronta resposta e quem ganha com isso é a própria população. Temos as tratativas resolvidas com rapidez, eficiência e qualidade”, diz o morador.

Outra liderança atuante em frente a comunidade que representa é Najara da Silva. Moradora do conjunto Cidadão 10, no bairro Tarumã, que abriga hoje mais de 2,5 mil moradores, ela relata que o relacionamento com a empresa além de facilitar o acesso aos gestores ainda agrega em ações sociais. “O Afluentes faz toda diferença na resolução das demandas referentes ao serviço de água. Como temos o grupo com os colaboradores da empresa, conseguimos passar as tratativas e ajudar até mesmo moradores de outros bairros. Quando temos ações sociais também sempre podemos contar com o apoio da concessionária”.

Na zona Centro-Sul, quem representa os moradores do bairro Aleixo, é o líder comunitário Mauro Braga. O local existe desde o início dos anos 40 e hoje conta com mais de 25 mil moradores. Há cinco anos, Mauro iniciou o trabalho de liderança e viu a realidade do bairro melhorar com a chegada do Afluentes. “Antes nós não tínhamos contato com a empresa e o acesso era difícil. Desde que nos reunimos com os representantes tudo começou a melhorar. Hoje estamos tão satisfeitos com esta valorização que realmente gostaríamos que outras empresas tivessem a mesma atitude”, ressalta Mauro.

Um dos bairros mais antigos de Manaus, o Educandos, tem como líder comunitário o Gil Eanes. Morador da área desde a infância, ele conhece cada rua, beco ou palafita que constitui o bairro e viveu toda transformação ocorrida no local, tanto com o crescimento do bairro, como com a chegada do saneamento. “Eu vivi o tempo em que para se ter água potável era preciso comprar garrafões de água. Hoje não tem uma casa, seja em rua ou em palafitas, que não recebe água tratada na torneira. Quando precisamos de qualquer resolução de demandas, temos uma atenção especial por parte da empresa e isso é muito gratificante”, revela Gil Eanes.

No conjunto habitacional Viver Melhor 1 e 2, no bairro Santa Etelvina, zona Norte da cidade, um grupo de líderes disposto a ajudar os moradores mantém contato direto com a concessionária. Um dos exemplos é o da Nara Chalub. Há mais de 10 anos ela cuida dos interesses dos moradores e ajuda em várias situações, inclusive junto à Águas de Manaus.

“Este canal de atendimento direto entre os líderes comunitários e a empresa é de extrema importância. Através dele somos ouvidos e atendidos rapidamente. Este relacionamento foi construído pela Águas de Manaus e facilitou a vida das lideranças. Hoje conseguimos solucionar as demandas e isso enaltece inclusive a visão dos próprios moradores em relação ao nosso trabalho”, destaca Nara Chalub.

Compartilhar:

Veja Também

TERMOS GERAIS DE USO DE SITES E APLICATIVOS DA AEGEA Saiba mais
TERMOS GERAIS DE USO DE SITES E APLICATIVOS DA AEGEA

Estes Termos Gerais de Uso de Sites e Aplicativos da AEGEA (“Termos”) são aplicáveis à utilização do(s) Site(s) e/ou Aplicativo(s) da AEG...

Politica de Inv. Social Privado Saiba mais
Politica de Inv. Social Privado

Uma concessão é muito mais que um acordo com o poder público, é um compromisso com o lugar e com sua gente.

Responsabilidade Social Saiba mais
Responsabilidade Social

A atuação social e ambientalmente responsável faz parte da nossa história e do nosso propósito.

Legislação e Tarifas Saiba mais
Legislação e Tarifas

Os serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário implicam em custos e investimentos permanentes.