Notícias

Ver notícia

As amostras são coletadas, mensalmente, em três pontos do igarapé localizado na região do Tarumã. 

O igarapé Água Branca começou a ser monitorado pela Águas de Manaus. O intuito é observar a qualidade do curso d’água desde a nascente, localizada dentro da área de proteção permanente do Aeroporto Internacional Eduardo Gomes até a foz, no igarapé Cachoeira Alta. O estudo faz parte de uma cooperação técnica entre a concessionária e a ONG Mata Viva, que atua pela conservação do igarapé e de áreas de preservação ambiental do Tarumã. 

Para o presidente da ONG, jornalista Jó Farah, o estudo de monitoração do igarapé revela o cuidado que a concessionária tem com a cidade e, principalmente, com a população.

Presidente da ONG, jornalista Jó Farah, acompanha a coleta das amostras do igarapé Água Branca

“Quando a empresa de saneamento passa a zelar pela água limpa quem ganha é a nova geração de amazonenses que está crescendo sem nunca ter visto um igarapé limpo em Manaus. Ao realizar pesquisas para conhecer todos os parâmetros a Águas de Manaus impõe uma nova abordagem de tratamento que prioriza a manutenção sustentável de água limpa ao invés de virar as costas para aquilo que não seria sua responsabilidade, ou seja, estudar, intervir e manter vivos os corpos d’água”, ressalta o representante da Mata Viva.  

As análises serão realizadas mensalmente para acompanhamento, com amostras de três pontos estratégicos de coleta. “Saneamento é sinônimo de qualidade de vida, de saúde e de preservação do meio ambiente. Estamos iniciando uma nova etapa na atuação em Manaus, que é a expansão do esgotamento sanitário. E entender as condições dos nossos corpos hídricos é fundamental para termos um parâmetro real das melhorias que estamos realizando na cidade”, destaca diretor-presidente da Águas de Manaus, Diego Dal Magro. 

As amostras são coletadas, mensalmente, em três pontos do igarapé 

Desde que iniciou a atuação em Manaus, a concessionária tem realizado obras que avançam o sistema de esgotamento sanitário. Até o fim do ano, a cobertura deve beneficiar 30% da capital amazonense, com disponibilidade da estrutura para 600 mil pessoas. Atualmente, já são tratados mais de 50 milhões de litros de esgoto por dia na cidade. 

Com a construção de novas Estações de Tratamento de Esgoto (ETE), implantação de novas redes coletoras em todas as zonas da cidade e com projetos pioneiros, como a estrutura de coleta em áreas de palafitas, a concessionária visa ampliar o sistema e, desta forma, colaborar para a recuperação dos corpos hídricos de Manaus. 

O monitoramento visa analisar e entender a qualidade da água do igarapé urbano

“O sistema de esgotamento sanitário é primordial para que possamos ter uma cidade mais saudável. A recuperação dos meios hídricos está diretamente ligada a ampliação e adesão a este sistema. Temos um exemplo urbano de igarapé livre de contaminações (Água Branca) e podemos, através do saneamento, começar o trabalho de recuperação de outros canais”, ressalta o gerente de Responsabilidade Social, Semy Ferraz. 

Compartilhar:

Veja Também

Legislação e Tarifas Saiba mais
Legislação e Tarifas

Os serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário implicam em custos e investimentos permanentes.

Notícias Saiba mais
Notícias

Confira as últimas notícias da Águas de Manaus e saiba mais sobre abastecimento, obras, programas e projetos.

Revista Aegea Saiba mais
Revista Aegea

Faça o download da Revista Aegea e fique por dentro das novidades que acontecem na empresa.

Documentos Saiba mais
Documentos

Aqui você encontra relatórios, arquivos e documentos de interesse público da Águas de Manaus.